Palestra do Projeto Clinamen nesta 4a. feira, dia 08/02/2017

A Coordenação do Projeto de Extensão Clinamen em conjunto com a Coordenação do Curso de Filosofia convidam para mais um evento do Projeto, com a palestra “Por que Cores são Relevantes para a Filosofia da Lógica?“, do Prof. Dr. Marcos Silva.

A palestra ocorrerá no miniauditório do curso de filosofia, sala 06, às 18 horas.

Resumo:

Cores e sua organização peculiar ensinam ao jovem Wittgenstein que a lógica deveria ser muito mais sofisticada que sua lógica tractariana baseada na poderosa, mas restrita noção de tautologia admitiria. Aqui não se trata, primariamente, de uma questão acerca da natureza das cores, sobre sua subjetividade ou objetividade, mas sim de sua lógica, ou seja,do estatuto próprio de suas exclusões e complementariedades. Como operar com a mútua exclusão de cores? É um erro lógico considerar todas as consequências lógicas como tautologias e todas as exclusões como contradições. Isto só poderia ser justificado por um romântico (e desencaminhador) ideal de análise completa. A organização das cores representa o primeiro grave desafio imposto à filosofia do Tractatus, sobretudo à sua imagem de lógica. Nenhuma noção de um necessário material é aceita ali, com o efeito que toda necessidade deveria ser uma necessidade tautológica. Entretanto, qual é o estatuto de uma proposição como:͞ se um ponto do campo visual é azul, logo não é vermelho͟? Isto é uma tautologia? Wittgenstein em1929 mostra uma compreensível insegurança ao tratar deste tipo de proposição como͞ um certo tipo de tautologia͟. Isto acompanha o seu tratamento de͞ a é vermelho e a é azul͟ como͞ um certo tipo de contradição͟. Para àquele que só tem um martelo, todo problema parece um prego. A partir de 1929, rapidamente, Wittgenstein começa a chamar este tipo de proposição de regra. Regras que deveriam ser adicionadas ao sistema tractariano, restringindo seu espaço lógico. Mas qual é o estatuto destas regras adicionais? Elas parecem ser necessárias e a priori, mas elas são analíticas? A sua negação engendra uma contradição? Representam um axioma (ad hoc) adicional em um formalismo apenas? São evidência da existência de juízos sintético a priori? São princípios fenomenológicos ou um tipo de lei pragmática? É importante notar que este tipo de pergunta se desloca naturalmente para o estatuto de uma regra ela mesma.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.